transformação digital Tecnologia

Walter Longo e a Transformação Digital: como empresas terão sucesso na Nova Era

Por Gabriel Matias em 29/11/2021 - Tempo de leitura: 11 min

Já não é mais segredo que estamos passando por uma verdadeira revolução na sociedade. Porém, o que ainda pode parecer desconhecido para muitas pessoas é a maneira como lidar com as drásticas mudanças que já aconteceram e com aquelas que ainda estão por vir.

Walter Longo, especialista em inovação e em transformação digital, é uma das mentes do nosso século que busca soluções para que negócios sobrevivam e prosperem em um mundo em rápida evolução.

Em uma conversa exclusiva com Gabriel Matias, CEO da Crowd, foram discutidos o passado, o presente e o futuro das organizações em meio a tantas mudanças.

O escritor, publicitário e administrador de empresas trouxe importantes pontuações a respeito da era na qual estamos entrando e, especialmente, sobre como empresas podem ter sucesso no “novo mundo”.

Confira, a seguir, a entrevista com Walter Longo e seus principais insights sobre a atualidade e os novos tempos.

Sobre Walter Longo

Walter Longo é um empreendedor digital, palestrante internacional e sócio-diretor da Unimark Comunicação. Em sua carreira, acumula cargos de relevância, como a presidência do Grupo Abril.

Investidor da Crowd e mentor de estratégia e transformação digital, ele já foi eleito 4 vezes o melhor profissional do ano do Prêmio Caboré e recebeu diversos títulos relacionados à área. 

Além disso, Walter Longo é autor de muitos livros, entre eles:

Da Idade Média para a Idade Mídia

O período histórico da Europa, conhecido como Idade Média, aconteceu durante os séculos V e XV. A ruptura desse momento foi muito significativa para a humanidade, definindo vários conceitos da sociedade moderna.

Para Walter Longo, no entanto, o encerramento do período não se deu com a queda de Constantinopla. O especialista afirma que estamos vivenciando, somente agora, o fim da Idade Média e começamos a passar pelo início da Idade Mídia.

Isso quer dizer que estamos diante do fim dos feudos em pleno século XXI? Não é este o conceito apontado por Longo.  

Em seu livro “O Fim da Idade Média e o Início da Idade Mídia”, o empreendedor define que estamos saindo da era em que tudo era feito com base nas médias. 

Por exemplo, as campanhas publicitárias eram definidas pensando na massa, em uma comunicação de mão única, direcionada ao que seria o perfil médio desse grandioso público.

Agora, a tecnologia permite que as empresas possam agir de maneira personalizada, com foco em indivíduos que se tornaram mídias. Isto é, segundo o próprio Walter:

“(…) Nós todos nos transformamos em mídia. Hoje, nós todos temos a capacidade de influenciar a sociedade, de emitir opinião, de alguma maneira atingir corações e mentes por meio de redes sociais, dos blogs, do Youtube”.

Assim, nessa transição entre Idade Média e Idade Mídia, temos a valorização da individualidade das pessoas e, como consequência, a individualização das ações das empresas.

Nesse enfoque ao individual, Longo alerta:

“Ao nos empoderar, estamos cada vez mais mimados e exigentes”

Como agir diante deste cenário, com indivíduos empoderados, com alto grau de exigência e expectativas de soluções personalizadas?

A Sociedade do Imediatismo

Responda para si mesmo: hoje, quanto tempo você está disposto a esperar para receber uma compra on-line? Quanto tempo você suportava aguardar anos atrás?

Se a sua tolerância a esperas como essas diminuiu, pode acreditar que você não está sozinho.

Para Walter:

A sociedade ficou efêmera, busca gratificação instantânea e isso é um enorme desafio logístico para todas as empresas”.

Afinal, da mesma maneira que nós, como compradores, estamos mais imediatistas, os clientes também estão aumentando o seu grau de exigência com as organizações.

Estar nesse mercado mais veloz é entender que a dinâmica é cada vez mais rápida e, portanto, os negócios precisam se adaptar a essa realidade com urgência.

Neste contexto, como a sua empresa pode tornar os processos e entregas mais eficientes a fim de atender a uma sociedade imediatista?

Uma nova Era

Walter Longo vê com bons olhos o cenário que se apresenta para a nossa geração: 

“Eu me sinto um felizardo, e você devia se sentir também, que nós estamos no momento do mundo de passagem de era. 

Isso aconteceu 3 vezes no mundo: na Idade Média passando à Renascença; na Revolução Industrial e está acontecendo agora.

Então, nós somos privilegiados por estarmos assistindo e participando, não apenas como coadjuvantes, mas como protagonistas de uma nova era que está começando – e que, claro, vai trazer um novo mundo para todos nós. 

Nesse ponto, eu sou muito otimista”.

Dentre os grandes desafios que aguardam profissionais e organizações nessa nova era, podemos destacar: democratização do conhecimento; inteligência artificial; mudanças brutais no Marketing; e a urgência de empresas ágeis.

Democratização do conhecimento

A internet e a popularização de diversas tecnologias digitais possibilitaram o acesso a uma moderna “Biblioteca de Alexandria” muito maior, diversificada e aprofundada.

Com poucos cliques ou toques em telas, é possível ler, ouvir e assistir a materiais dos mais variados temas, produzidos por todo o tipo de pessoa.

Mas, o que nós temos feito com esta farta disponibilidade de conteúdos

Em seu livro “Trilema Digital”, Longo fala sobre o crescimento da “exteligência” e a diminuição da inteligência. Isto é, para o autor, estamos “terceirizando” o acúmulo de conhecimento para a máquina e a internet, deixando-o fora de nossas mentes. 

No entanto, ao passar a responsabilidade do armazenamento dos conteúdos para algo externo ao nosso cérebro, estamos perdendo a oportunidade de fazer sinapses das informações, de gerar teses, insights e novos conhecimentos.

Podemos dizer que nos tornamos “scanners humanos”, apenas lendo dados e com baixa capacidade de assimilação e desenvolvimento de ideias.

Assim, de que maneira os indivíduos e as organizações podem aproveitar, ao máximo, essa volumosa quantia de conhecimento, que está facilmente disponível? Como podemos absorver, com qualidade, os conteúdos que estão “fora” da nossa mente?

Inteligência Artificial

A inteligência artificial (IA) está revolucionando diversos setores da sociedade: desde aplicativos que encontram as melhores rotas de trânsito, como Google Maps e Waze, passando por sistemas que fazem a varredura em investimentos e chegando, até mesmo, ao milenar setor agropecuário, a IA traz fortes mudanças. 

Além do que já foi produzido, existem altas expectativas sobre o que a tecnologia que aprende “sozinha” ainda poderá fazer.

Mas, o que é visto por muitos com ansiedade e receio, pode ser observado sob uma nova ótica. Walter Longo acredita que as funções mecanizadas vão passar para as máquinas, tornando homens e mulheres em “super humanos”.

Isto é, em vez de nós termos que ficar focados em atividades operacionais e rotineiras, com a Inteligência Artificial teremos mais tempo e foco para realizar as atividades verdadeiramente humanas.

Assim, profissionais passarão de técnicos a consultores e mentores, fornecendo opiniões e aconselhamentos com base nas suas experiências e conhecimentos.

Nesse cenário, quais são as habilidades que você e sua equipe podem aprimorar e que não podem ser substituídas por máquinas, nem pela IA? Como desenvolver práticas e aptidões “super humanas”?

Um novo Marketing?

O marketing digital já é uma realidade há anos. A utilização da internet para atrair, converter e fidelizar os clientes é um caminho sem volta. Mas, o que, de fato, essa mudança traz para o Marketing como um todo? 

Longo acredita que a área está passando por uma transformação brutal — que, infelizmente, ainda não foi entendida por todos.

Segundo o especialista, a principal mudança foi a comunicação massiva das organizações — que era, praticamente, um monólogo — , para o diálogo.

Ou seja, hoje, as empresas precisam saber não apenas falar para o seu público mas, principalmente, se comunicar com ele.

Para Walter:

“Essa mudança muda tudo na forma como se fala, nos processos, nos custos.

Antigamente, eu emitia uma informação para milhões ao mesmo tempo; agora eu vou continuar emitindo para milhões, só que individualmente. Mensagens diferentes para cada pessoa, aos milhões.

Claro que, para que isso ocorra, eu tenho que mudar tudo”.

Neste processo, é preciso aprender a escutar e entender o que o público fala. Mais do que isso, é necessário estar pronto para dialogar com clientes e demais stakeholders.

Qual a solução para este cenário? Para o escritor:

O mundo do marketing e da comunicação tem que se reinventar, tem que partir de outros princípios, porque também a ideia do departamento de Marketing Digital também não resolve”

Neste sentido, como o seu negócio está aberto a essa nova maneira de fazer o Marketing e a comunicação? Como ele está se preparando para a adaptação a novos tipos de trabalho e a novas maneiras de executá-lo?

Empresas precisam ser ágeis 

Existe um ditado popular brasileiro que diz que “não se mexe em time que está ganhando”. Para Longo, no entanto, a frase já não faz mais efeito nos dias de hoje:

“Empresas não morrem mais por fazer a coisa errada, mas por fazer a coisa certa por um tempo longo demais. (….)

Se antes a gente tinha que andar pra não ficar no lugar, agora a gente tem que correr para não sair do lugar”.

Nesse sentido, as organizações precisam se mover com muito mais rapidez na adaptação dos seus processos e das suas entregas. Isto é, na atualidade, as empresas devem entender rapidamente as demandas do mercado e, também de forma veloz, adequar seus negócios para esta realidade.

Mas, a velocidade das mudanças tem o seu preço. Se, antes, um empreendimento precisava pesquisar, estudar, testar e aplicar alterações com profundidade, agora as organizações não têm mais tanto tempo.

Com isso, os empreendedores precisam aprender a validar novas ideias de maneira rápida e eficaz. Para Longo, essa nova forma de trabalho

“tem a ver com essa passagem de era, porque hoje as empresas não têm mais que buscar o ótimo, tem que buscar o suficientemente bom”.

Um grande exemplo de sucesso desta maneira revolucionária de fazer negócios é a Apple. O especialista afirma que, ainda nos primeiros aparelhos iPhone lançados, a empresa já teria todas as melhores funcionalidades.

Mas, para testar e validar suas ideias, ela lança um produto básico e vai aprimorando as funções e a qualidade do item a cada upgrade

Então, uma empresa que quer ter sucesso neste novo mundo de velozes e constantes evoluções precisa ter uma estrutura que permita rápidas adaptações e lançamentos.

Walter afirma que, neste contexto,o grande risco é não arriscar”.

Como seu negócio vai se adaptar à nova era

Conhecimento mais democrático, tecnologias de ponta, marketing em plena transformação e diversas outras transições sociais nos colocam frente a um grande desafio: adaptar empresas a essa nova era.

Hoje, as organizações precisam lidar com milhões de pessoas de maneira individualizada, com serviços rápidos e de qualidade.

Nesse momento de intensa transformação digital, empresas que estão à frente das mudanças vão se destacar.

Para isso, ter equipes com um mindset focado em performance, com entregas de resultado e que sejam atores de inovação é imprescindível.

Nem sempre é possível mudar as estruturas organizacionais com a velocidade que os negócios precisam, não é verdade?

Mas contar com profissionais que estejam alinhados a esta nova era é um dos segredos para que as empresas tenham bons resultados. 

Com a Crowd, você tem essa equipe altamente capacitada, atualizada e preparada para os desafios desse novo mundo.

Nossos profissionais são distribuídos em squads remotos, ou seja, em grupos multidisciplinares focados em objetivos específicos.

Dessa forma, você e sua empresa têm um time de ponta dedicado ao seu projeto, da maneira que você realmente precisa e entregando resultados.

Quer saber mais sobre esse inovador método de trabalho para a nova era? Então, conheça detalhes sobre os squads remotos da Crowd.

Gabriel Matias

Gabriel é empreendedor e fundador da Crowd. Expert em Transformação Digital, ajuda empresas a crescerem no mundo online e a gerar milhares de trabalhos remotos aos profissionais. A Crowd hoje é mais que uma agência, é uma plataforma com mais de 20.000 profissionais de marketing e tecnologia, que monta times remotos conforme o tamanho e necessidade do cliente.

Deixe um comentário